sexta-feira, 15 de abril de 2011

Opiniões

É fato. O mundo em que vivemos está cada vez mais intolerante. Na era das redes sociais, blogs, tumblrs, podcasts, etc, em que cada um pode expressar os seus pensamentos para o mundo, aonde todas essas redes possibilitam a criação de uma fantástica rede de interações, opiniões e debates, este mesmo mundo em uma triste contradição começa a criminalizar e ser intolerante a opiniões. Não somente no que diz respeito a um tema específico, mas as pessoas estão menos tolerantes em relação às opiniões em si. Se a sua opinião não condiz com a de determinado grupo seja ele religioso, social, político, etc, você terá boas possibilidades de entrar em apuros.

Assustador esse preconceito contra quem se dispõe a opinar. Esse triste quadro se torna ainda pior quando vemos que ele é incentivado por ícones - sejam eles políticos, religiosos ou midiáticos. Na maioria das vezes, pessoas despreparadas com a desculpa de serem arautos dos direitos humanos, ou heróis no combate à injustiça e a própria intolerância. Acabam apenas gerando ainda mais agressividade e intolerância e por muitas vezes apenas buscam RT’s, followers ou quem “curta” o seu heroísmo patético ou alguns minutos em programas de TV do calibre de um Superpop.

A tolerância é uma estrada a ser trilhada, e essa estrada tem duas vias: direito e obrigação.

Cada um tem o direito de ter a opiniões que quiser ou de não ter nenhuma e ao mesmo tempo a obrigação de respeitar a opinião do outro ou a ausência dela.

Cada um tem direito de discordar ou não seguir uma opinião qualquer que seja ela e ao mesmo tempo cada um tem a obrigação de respeitar aquele que discorda ou não segue a sua opinião.

Tornar uma opinião uma verdade absoluta é uma grande irresponsabilidade. Opiniões são para concordar ou discordar. Simples assim.

Obviamente nem todos vão concordar e nem todos vão discordar desse texto. Espero que isso aconteça, pois esse texto é tão somente uma opinião.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

U2 - Tão Longe e Tão Perto

Ser a maior banda de rock do mundo por três décadas seguidas e entrar na 4ª década ainda como a maior (e ainda maior). Ter a maior turnê de todos os tempos e ao mesmo tempo fazer de um show grandioso - um espetáculo até para quem não é fã de U2 ou rock - uma reunião entre amigos (90.000 amigos). Transformar a grandiosidade épica em algo emocional e tocante. O “alienígena” e tecnológico em humano e sentimento.

Ter 35 anos de carreira se reinventando sem perder a essência e como eles mesmos dizem “ainda não fizemos o nosso melhor álbum”. Que banda teria ousadia de após chegar ao topo do sucesso, recomeçar do zero e como se não bastasse ousar surgirem ainda melhores.

Juntar ao rock sentimentos tão escassos, tão fora de moda e atualmente tão estranhos no nosso mundo como o amor incondicional ao próximo, o amor e a valorização da família e o amor a Deus sem ser demagogo, hipócrita, falso e sem apontar quem não comunga dessa mesma crença.

Não ser perfeito e ser humano em um mundo que exige cada vez mais a falsa perfeição de seus ícones. Usar o fato de serem celebridades, não de uma forma egoísta ou patética, mas criarem a partir disto, como um contraponto da própria celebridade, uma moeda para que necessitados, doentes e miseráveis, tenham uma vida melhor, sem usar essa solidariedade para se promoverem, como muitos por ignorância ou inveja insistem em dizer. É muito provável que a maioria das pessoas que eles mais ajudam nunca tenham ouvido sequer uma música da banda.

Não ter vergonha de se ajoelhar em meio a um show de rock e levantar uma prece à Deus.

Ter a coragem de sendo a maior banda de rock do mundo falar e declarar em suas músicas o amor à Deus, à esposa, aos filhos, ao pai, à mãe, falar das injustiças sem ser piegas e tudo isso com a melhor música do mundo.

U2. Tão longe e ao mesmo tempo tão perto de nós.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Os Meus Novos Ministros

Para desenferrujar o blog resolvi fazer uma listinha ministerial, se caso fosse eu e não a Dilma que começasse um emprego novo no próximo sábado. Se vocês não reconhecerem nenhum dos nomes, ora bolas, usem o Google.

Ministério da Casa Civil
– Tyler Durden (Clube da Luta)
O homem de confiança do meu governo. In Tyler we trust.

Ministério da Saúde – Dr. Gregory House
A escolha óbvia. Vicodin para todos.

Ministério da Educação – Ferris Bueller (Curtindo a Vida Adoidado)
Com o nível do ensino público atual, a melhor opção para os seus filhos é matar aula. Disso Ferris Bueller entende.

Ministério de Ciência e Tecnologia – Doc. Emmett Brown (De Volta Para o Futuro)
Não me interessa o que ele vai fazer, contanto que me empreste o seu De Lorean.

Ministério da Pesca – Capitão Ahab (Moby Dick)
Acabaria com o problema das baleias encalhadas no litoral brasileiro.

Secretaria dos Direitos Humanos – Fernandinho Beira Mar
Direitos humanos só existem prá bandido mesmo. Vamos oficializar isso logo de uma vez.

Ministério das Comunicações – Burro (Shrek)
Um burro legitimo na política brasileira. Chega de falsificações.

Ministério da Justiça – Harvey “Two Faces” Dent (The Dark Knight)
Acabaria com a lentidão da justiça no Brasil. Tudo seria decidido na base do cara ou coroa.

Ministério da Fazenda – Tio Patinhas
Eleito pela Forbes o 2º personagem mais rico do mundo. O 1º foi Carlisle Cullen, pai do vampiro Edward de Crepúsculo. Como já temos sanguessugas demais na política...

Ministério do Planejamento – John “Hannibal” Smith (Esquadrão Classe A)
O que dizer de um cara que os planos sempre dão certo?

Ministério do Desenvolvimento Social – Coringa (The Dark Knight)
Quem melhor do que ele para ajudar a nossa sociedade a se desenvolver? Ele tem idéias interessantes para redução da população carcerária.

Ministério da Defesa – Leônidas (300)
Será o ministério com mais cargos. Trezentos. Certamente terá muitos casos de nepotismo, mas é garantia de trabalho bem feito.

Ministério das Minas e Energia – Dr Manhattan (Watchmen)
É o fim dos apagões e também não precisaríamos mais construir usinas hidrelétricas que tanto afetam o meio-ambiente

Ministério da Agricultura – Graham Hess (Sinais)
O reverendo Graham Hess é a pessoa ideal para solucionar o maior problema da agricultura no Brasil: as marcas deixadas por seres extra-terrestres nas plantações.

Ministério do Turismo – Carl Fredericksen (Up)
É o fim do caos aéreo e das superlotações nos hotéis. O sr Fredericksen trará para o Brasil um novo conceito de viajar sem sair de casa.

Ministério do Trabalho – Seu Madruga
Não precisa de muita explicação.

Ministério dos Transportes – Seth Brundle (A Mosca)
Chega de ônibus, trem e metrô lotados. O dr Seth Brundle trará para o Brasil a máquina de teletransporte. Há alguns riscos, mas uma mutação genética é bem melhor do que ser encoxado no metrô.

Ministério dos Esportes – Disco voador do filme O Milagre Veio do Espaço
A Copa do Mundo está chegando e a grande dúvida é quanto à construção dos estádios. Esse ministro e sua equipe irão resolver isso do dia para a noite. Literalmente.

Ministério do Meio Ambiente – Serguei
O cara transa com samambaias. Se você souber de alguém que ame mais a natureza do que o Serguei me avise.

Ministério da Cultura – Dewey Finn (Escola do Rock)
O seu projeto Escola do Rock pretende acabar com axé music, samba, pagode, sertanemo, funk carioca e bandas coloridas em um prazo de 2 anos, melhorando assim de forma considerável a cultura brasileira.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Dunga e o caos

Em certo momento do filme The Dark Knight, o Coringa se define como “um agente do caos”. Sem qualquer senso de certo ou errado, ele está ali tão somente para ver e fazer o circo pegar fogo.

Não morro de amores pelo Dunga, mas não posso negar que tenho achado muito interessante que ele nesses últimos dias tenha assumido o papel de agente do caos e esteja fazendo a toda poderosa, onipotente, onipresente e incontestável Rede Globo perder as estribeiras.

Não creio que o problema do Dunga seja com o Alex Escobar. Não é pessoal. O problema do Dunga é com a Globo, e como futebol aqui no Brasil é poder, não é todo dia que alguém com poder, bate de frente com a Globo.

Ele não tem nada a perder. Ele não quer nem saber se está agradando ou não, afinal treinador da Seleção não é pago para ser simpático. Se fosse assim contratariam o Celso Portiolli.

Dunga é um saco. É um porre. É enjoado... mas é o Dunga. Não finge ser outra pessoa. E está fazendo uma pequena revolução nos meios de comunicação. Sim a Globo foi desafiada, foi atacada e acusou o golpe.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

O gol espírita... contra.

Eu não sou espírita e tampouco concordo com tal doutrina. Penso que ser bom com as pessoas é algo que tem que fazer parte da nossa humanidade e não de uma religião. Pensar que vai para o céu só porque é bom é como achar que vai entrar em Harvard só porque sabe a tabuada e o verbo to be. Penso também que cada um é livre para entrar ou não entrar em um centro espírita, templo evangélico, igreja católica ou quadra da Gaviões da Fiel sem que isso seja imputado como preconceito ou intolerância religiosa como alguns já estão alarmando. Peço desculpas por colocar essas minhas opiniões pessoais, mas creio que elas sejam necessárias para ilustrar o que penso a respeito do episódio dos jogadores do Santos, e a visita ao Lar Espírita Mensageiros da Luz.
Os jogadores que não entraram (não foram só Robinho, Neymar e Ganso que não entraram, mas como eles são os que mais se destacam no time eles estão sendo pegos para Cristo, ou nesse caso, para Judas) deveriam saber que eles não iriam ali receber o espírito do dr Fritz ou do Geléia dos Caça-Fantasmas. Eles estavam indo até ali para tornar o dia de algumas crianças um pouco mais alegres. Aquelas crianças não esperavam que eles chegassem ali citando palavras de Alan Kardec ou com ingressos para ver o filme do Chico Xavier. Provavelmente aquelas crianças nem esperavam tanto receber o ovo de chocolate derretido com o brinquedinho descartável (duvido que fossem ovos Nhá Benta da Kopenhagen). Aquelas crianças esperavam ver os craques do Santos. Principalmente Robinho, Neymar e Ganso. Até eu que já passei dos trinta gostaria de conhecer esse trio pessoalmente. Eles levariam alegria àquelas crianças pela simples presença deles. É fato que Neymar foi menos moleque e mais homem ao admitir o seu erro. E é fato que Robinho foi menos homem e mais moleque ao querer justificar o injustificável e ainda colocar culpa na religião que ele nem ao menos citou qual seria. Neymar citou a sua: evangélico (aí sim fomos surpreendidos).
Robinho disse que a religião de cada um precisa ser respeitada. Os pais, mães e as próprias crianças daquela casa não precisam de respeito.
Não sei se Robinho é cristão. Se for ele deveria saber que Jesus andava, por exemplo, com prostitutas e corruptos, e nem por isso ele era michê, garoto de programa ou político.
Mas como disse a questão não foi religiosa. A questão foi social e de falta de caráter. Os jogadores que não entraram não tiveram bom senso. Será que o dinheiro que o torcedor espírita do Santos paga por um ingresso para ver o seu time é diferente do dinherio do torcedor evangélico que é diferente do torcedor católico e diferente do torcedor judeu?




O fato é que foi uma grande mancada desses jogadores. Justamente com a galera espírita que tá sempre vestida com uniforme do Santos.








Mas o que me pergunto é: será que Robinho vai comemorar quando marcar um gol espírita?

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Espirito de Natal? To ligando para os Caça-Fantasmas



As pessoas não entendem muito o porquê de eu não gostar do natal. Quando digo que odeio o natal, as pessoas olham para mim de um jeito que parece que tem um alien saindo do meu tórax. Qualquer outra data que você diz que não gosta – carnaval, dia da bandeira, Corpus Christi, dia do advogado – as pessoas não estão nem aí, mas falou que não gosta de Natal, pronto... Você é uma aberração.

O que implica em eu não gostar do natal, é o fato de ser uma data muito doida. Muito absurda. Só o fato de comemorarem o aniversário de uma pessoa na data errada já é estranho pra caramba, afinal de contas, Israel fica no hemisfério norte aonde nessa época do ano em alguns lugares, incluindo Israel, faz um frio do caramba e inclusive neva. Não creio que Deus fosse burro para deixar seu filho nascer sem um abrigo no inverno. Aí ao invés de estábulo, os presépios teriam iglus. E se ele morresse congelado? Aí as pessoas ao invés de um crucifixo iam usar o que? Um enfeite de geladeira? E tem também a questão dos pastores que foram avisados pelos anjos na noite em que ele nasceu. Será que os nomes deles eram Manoel e Joaquim para pastorearem a noite no inverno? A não ser que eles criassem ursos polares, focas ou pinguins.




Mas vamos supor que a data esteja certa. Vamos dizer que Jesus realmente tenha nascido no dia 25 de dezembro. Há um mês todo lugar que você vai você é bombardeado com mensagens do Natal, mas o que menos você ouve é falarem de Jesus. Será que é porque vão fazer uma festa surpresa pra Ele? Então eu penso que já que resolveram comemorar o aniversário dele no dia 25 de dezembro, deveriam fazer coisas que lembrassem Jesus. Ao invés disso temos coisas como o Papai Noel que é o dono da festa. Uma espécie de promoter natalino. Só que é muito estranha uma festa em que o promoter seja mais lembrado que o aniversariante. Ao invés de paz, alegria e amor ele distribui presentes, o que é muito mais interessante e prático. De repente o bom velhinho foi crucificado e a gente não sabe, mas fico imaginando o tamanho e a resistência da cruz para crucificá-lo. Mas pior de tudo, é que o cara não existe. É uma mentira. Qual o sentido que tem comemorar o aniversário de alguém que não mente com uma mentira??? Só se o cara que inventou o Papai Noel era um ateu bem irônico...

Tem também os viadinhos. Tem tanto bicho para lembrarmos no aniversário de Jesus e foram colocar justo um viado como um dos símbolos do seu aniversário. Já pensou o cara chega pra você e fala. “Puxa! Tava assistindo o Animal Planet e vi um viado. Aí lembrei que era seu aniversário. Parabéns”

Aí o pessoal coloca umas luzinhas bregas. Uns enfeites esquisitos, que mais parece uma zona de alguma cidade do interior de Pernambuco. Se fosse aniversário da Maria Madalena eu até entenderia.

E tem o peru coitado. Jesus nasceu!!! Vamos matar o peru!!! Seria o peru um símbolo do diabo? Por que temos que matar justamente o pobre animalzinho? Pior que a matança de perus na véspera de Natal, é a matança de galinhas pretas na véspera de ano novo.

E tem o tal do amigo secreto. Por causa de um maldito papelzinho, você tem que comprar presente para aquele cara que durante o ano todo tentou te puxar o tapete no emprego, ou ainda para aquele seu cunhado que você falou mal o ano todo dele. Você perdoa todo mundo no Natal, só pra no dia 26 estar todo mundo brigado de novo. Queria entender o que hipocrisia e falsidade têm a ver com comemorar o aniversário Jesus?

Bom, mas você pode me dizer que no Natal as pessoas estão com o coração mais sensível e fazem boas ações. Por que essas pessoas não são boazinhas e ajudam o próximo durante o ano todo? Então Jesus só é bonzinho com as pessoas na época do aniversário dele. Tipo: ah Jesus me cura que eu tô com câncer e o médico só me deu 3 meses de vida. Aí ele responde: Sorry. Ainda estamos no Carnaval. Nos encontramos aqui em cima em 3 meses.

Ainda dizem que o Natal é bom porque a família fica mais unida. Pois é. O marido tratou a mulher como um lixo o ano todo. Ficou dando em cima da colega de trabalho e no Natal ele vira um santo. A mulher ficou falando mal do marido durante o ano todo para as colegas que a aconselharam a se separar dele. E só nesse dia mágico ela consegue ter tolerância com ele. E as crianças aprendem que o amor do papai e da mamãe é proporcional ao saldo da conta corrente e ao presente que eles conseguiram comprar.

Mas existe uma coisa bem cristã no Natal. O Natal nos ensina que devemos nos
desapegar de tudo aquilo que é material. Para isso basta gastar todo o seu 13º com presentinhos na 25 de Março ou nas Casas Bahia.

E a última injúria natalina ocorreu este ano. Algo que me ofendeu profundamente e que foi a gota d’água para que eu odiasse definitivamente o Natal. Um dos símbolos que mais expressavam o espírito e o sentido do Natal, envolvido em um esquema sujo de mentira e corrupção: o panetone.

Boas festas e um Feliz Natal.



“Now I have a machine gun. HO-HO-HO” – John McClane

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Dia da Consciência Humana

Enquanto isso na inscrição para a competição dos 100m e 200m rasos...

-Próximo, por favor! Qual o nome do senhor?

-Usain Bolt

-Nacionalidade?

-Jamaicana.

-O senhor trouxe o exame antidoping?

-Sim. Aqui está.

-Muito bem... Sim... É. Está tudo ok. Trouxe os registros de seus 10 melhores tempos?

-Sim. Também estão aqui.

-Ok... Puxa! Incrível! Seus tempos são excelentes senhor Bolt. Parabéns

- Muito obrigado. Então estou liberado para a competição?

- Ainda não. Falta um detalhe muito importante. Cor da pele?

-Como?

-Cor da pele.

- Bom. Sou negro.

-Então o sr não é descendente de escandinavos?

-Não.

-Então senhor Bolt, o senhor vai ter que aguardar.

-Como assim? Você mesmo disso que meus tempos estão entre os melhores!

-Sim, mas o que acontece é que agora nós temos um sistema de cotas para escandinavos. Então 10% das vagas têm que ser obrigatoriamente preenchidas com essas pessoas. Portanto o senhor terá que aguardar o preenchimento dessas vagas para aí sim confirmarmos sua inscrição.

-Mas por quê? Isso é injusto.

- Sim é injusto, mas o que acontece é que os escandinavos sofreram discriminação por muito tempo sendo chamados de brancos, branquelos, galak, boneco de neve, pinto pequeno, arroz, urso polar, folha sulfite, agüentando mensagens ofensivas e racistas em camisetas como 100% Negro e outras coisas mais, sendo sempre alvos de preconceitos em rodas de samba, e competições de atletismo, e essa é uma forma de compensarmos esses anos de discriminação.

-Tchan!!!! Nojento!!!!